Cracóvia 2016: Mensagem da misericórdia será maior fruto da JMJ diz Cardeal Dziwisz

Faltam menos de dois meses para a Jornada Mundial da Juventude na Polónia, terra de São João Paulo II, ele que foi o idealizador das JMJ.

A Rádio Vaticano conversou com o ex-secretário particular de Karol Wojtyla, o arcebispo de Cracóvia D. Stanislaw Dziwisz, que iniciou a conversa falando sobre o novo santo polaco, Stanislau de Jesus Maria, canonizado no último domingo na Praça São Pedro pelo Papa Francisco.

"O novo santo Stanislaw teve que esperar muitos séculos para se tornar santo, mas é interessante como a sua memória permaneceu, assim como a mensagem que deixou, através da Congregação que fundou, os Padres Marianos. Um homem de oração, da penitência, que apela à oração pelos mortos no Purgatório. Esquecemos esta prática... Ele dedicou-se muito à oração pelos mortos e aqui estava a sua misericórdia".

RV: Sábado teve a audiência com o Papa Francisco. Estamos a aproximar-nos – faltam menos de dois meses – da Jornada Mundial da Juventude e existe uma grande expetativa por parte do Papa para ir à Polónia e encontrar os jovens de todo o mundo, na terra de Karol Wojtyla...

"Tive esta alegria e este dom de ser recebido pelo Santo Padre. Queria mais uma vez reiterar o convite para ir a Cracóvia e também para lhe dar as últimas notícias relativas ao desenvolvimento da preparação. Disse a ele que existia um grande entusiasmo, e não apenas na Polónia, mas em todo o mundo: teremos grupos provenientes de 194 países; e também muitos bispos, já são 930. Certamente desejam ir a Cracóvia para ver o Santo Padre, mas penso também que queiram ir lá precisamente neste Ano da Misericórdia, porque Cracóvia é a capital da Divina Misericórdia. Lá Jesus Cristo deu mensagens para todo o mundo: lá deu à Irmã Faustina, mas o que ela poderia fazer sozinha? Então veio também um outro apóstolo, João Paulo II, que levou esta mensagem, este fogo sobre a devoção da Divina Misericórdia a todo o mundo; e agora também o Santo Padre Francisco, com o mesmo tema, o da misericórdia. Penso que os jovens receberão esta mensagem que levarão depois em todo o mundo e estes serão os frutos desta Jornada, a mensagem da misericórdia. A Irmã Faustina disse: "Se querem paz, devem voltar-se para a Divina Misericórdia".

RV: João Paulo II é o "Santo dos jovens", é o idealizador, o fundador da Jornada Mundial da Juventude e o Papa Francisco é muito amado pelos jovens: estas duas figuras extraordinárias se reencontrarão nesta Jornada de Cracóvia...

"Certamente, existe uma continuidade: João Paulo II começou, depois seguiu Bento XVI e agora o Papa Francisco. João Paulo II viu que os jovens procuram, questionam: é necessário dar-lhes uma resposta, é necessário guiá-los. Os jovens têm necessidade de um bom pastor, de bons pastores. E aqui se realiza isto".

RV: João Paulo II estará presente nesta JMJ, do céu, de uma forma realmente nova em relação às JMJ que ele mesmo quis e que nasceram de seu coração...

"Tantas pessoas se dirigem a Deus por interceção de João Paulo II e vemos tantas graças e também milagres. Quando alguém pedia a ele para rezar, nunca esquecia! Depois dizia: "Escrevam e coloquem na Capela". Algumas vezes se diz "Rezarei" e depois, quem sabe, se esquece... Ele nunca! Nunca! Penso que também agora se alguém por meio dele pede a Deus, ele é fiel".

RV: Cracóvia, a diocese, os fiéis, os jovens estão todos entusiasmados para este grande evento...

"Exato! Na Polónia existe um grande interesse, mas eu vejo que também existe expetativa em todo o mundo. Penso nos italianos, nos franceses, nos alemães... A preparação está a bom ritmo. A única coisa que podemos fazer agora é rezar para que o tempo esteja bom".

Marcações: Cracóvia 2016, João Paulo II

Imprimir